segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Passarinho morto


Eu o intrigo. Intrigo porque sei viver sem ele, porque não espero ligação no dia seguinte. Não choro, nem quero café-da-manhã. Janto à luz de velas com os meus fantasmas e não espero que alguém venha me salvar. Ele não entende a independência que corre em mim, porque ele sempre foi acostumado a ter gente que corria por ele, atrás dele. Mas eu não. Eu o ameaço. Ameaço porque sei de cor poemas de Fernando Pessoa, mas também tenho aprendido a saborear e me deliciar com Anaïs Nin. Entendo “Ensaio sobre a cegueira” e sei o sentimento que o autor queria passar. Gosto de analisar poesias, mas ainda não entendi como se ama um passarinho morto. Ele não quer saber de nada disso, só fica tranquilo quando eu leio um romance light, acha que eu vou ficar vulnerável e finalmente me apaixonar por ele, não imagina que eu estou justamente aprendendo a como não ser romântica, a não seguir os passos das personagens e me embasbacar por qualquer cara como ele. Ele gosta do desafio que eu sou. Ele quer vencer os obstáculos, mas ainda não passou nos primeiros testes.
Se bem que eu acho que o vi com um Manuel Bandeira na mão esses dias, talvez ele seja capaz de me dizer como se ama um passarinho morto...

*"Como se ama um passarinho morto" faz referência ao poema Boda Espiritual do Manuel Bandeira.

4 comentários:

  1. Nem li seus outros textos, mas quero dizer que você arrebentou nesse. Preciso dizer isso. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Rebeca! Fico feliz que tenha curtido :)

      Excluir
  2. Você tem ficado cada vez melhor nisso, Má!

    ResponderExcluir
  3. Você intriga a todos nós. Que texto incrível!

    ResponderExcluir

Qualquer pessoa pode comentar, fique à vontade :)