domingo, 28 de agosto de 2011

A Porta

 A porta, de novo aquela porta. A chave dela vive pulando pra fora do bolso daquela moça, é tão escorregadia. E olha e encanta, e, é como se dissesse "Não me tranque de novo, por favor.".  A moça não resiste e reabre.

 Marcas de tanto que a moça chutou e a esmurrou de raiva por fazê-la brincar de abrir e fecha-lá são vistas sem muita dificuldade.

 Resolve então, como última tentativa, trancar a chave dentro de um cofre, e, como já era de se esperar, esqueçe o código que o abre. Logo, se lembra e abre de novo. É mais forte que ela.
 Empurrou e pressionou móveis para ela não abrir quando a chave começava a fraquejar.

Tudo, qualquer esforço que fazia, era em vão. Mas tudo isso já era de se esperar, afinal, tudo que rodeia a porta é torto, bagunçado. Era o destino dela ser imperfeita como todo o resto.

 No momento que se encontra ela está cansada, assim como a moça que tenta dominá-la. Está entreaberta, qualquer vento que sopre, qualquer movimento descuidado da moça..."BAM!" Se escancarará novamente.
É um ciclo meio vicioso, meio involuntário.


-----------
Obs.: Já deve ser a segunda ou terceira postagem que falo sobre porta, não é? Então, vou fazer uma revelação...Rangidos de porta no meio da noite me assustam. Pronto, falei! Beijos ;*

Um comentário:

  1. Eu vivo metaforizando sobre portas, também. Normal, hahaha.
    <3

    ResponderExcluir

Qualquer pessoa pode comentar, fique à vontade :)