quarta-feira, 11 de julho de 2012

Tudo bem, eu te amo. A gente pode pedir uma pizza.


Sento em cima da bancada da cozinha e o observo fazer o almoço, esse é um dos poucos momentos em que vejo esse cara desastrado ficar mesmo concentrado. Assobiando e jogando sorrisos pra mim, eu só o olho com cara de sapeca desejando ele e ao mesmo tempo duvidando que nada sairá errado com a comida. Parece que ele também está feliz por estarmos ali. O apartamento dele parece estar mais escuro hoje, mas os castanhos olhos dele estão mais iluminados. Parece mesmo que, dessa vez, nada sairá errado. Nem com a comida, nem com a gente. Porque eu posso me ver junto desse homem, juntando histórias, trapos e retratos com ele. Ele me desperta sentimentos terrivelmente inocentes, tipo o amor. Ele me envolve num romance e eu sinto que não morrerei no final e que o nosso para sempre pode acabar, mas depois a gente recomeça de novo.  Não faço declarações para ele, mas ambos sabemos que todas as declarações estão entre a gente.  

E da forma mais livre que nós podemos ser, nós nos prendemos, um no outro, sem querer sair. É estranho, mas é real. E parece que não vai se dissipar como a fumaça que sai da panela onde ele está preparando a comida. 

Cantando Everything – e imitando da pior e mais fofa forma o Michael Bublé – ele se aproxima e eu me sinto dançar quando ele começa a cantar ao pé do meu ouvido.  Me envolvo com o cheiro dele e com o cheiro que sai da panela, mas o dele com certeza é o melhor.  Ele tem cheiro de inverno acolhedor. Me acolhendo. Me aquecendo. 

- Você vai deixar a comida queimar – Digo sorrindo e mordendo o lábio. Ele faz que não com a cabeça e me beija. E Então, o mundo é inteirinho nosso e eu mergulho em amor. Mergulho numa formidável alma, a alma dele. O sabor dele é de doce sem frescuras, aqueles doces simples que a gente nunca deixa de gostar. Ele tem sabor de brigadeiro, eu acho.       
  
- A comida tá queimando – exclamei, me soltando dele após notar o cheiro de queimado, ainda meio abobada depois de ficar por vários minutos envolvida naqueles braços. 

- Tudo bem, eu te amo. A gente pode pedir uma pizza. – Diz ele, colocando na frase três palavras envolventes e declaradoras. Sem saber se sorrio ou finjo não notar o que ele disse eu continuo olhando pros olhos dele, depois pra boca e assim sucessivamente, buscando simples palavras. Daqui a pouco a casa pode pegar fogo e ainda não nos soltamos. 

- É, acho que a gente pode pedir uma pizza. Eu também te amo. – Esquecemos que a maioria das pizzarias não entregam na hora do almoço. Tudo bem, a gente se ama. 

fonte da imagem: http://weheartit.com/

5 comentários:

  1. "Tudo bem, a gente se ama."
    LINDO, SEM MAIS!

    ResponderExcluir
  2. Awwww *-*
    O título (& o texto todo, é claro) é simplesmente... ridículo de tão lindo! Hahaha.

    ResponderExcluir
  3. me candidato a seu cozinheiro, se pagar com tanto carinho assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahaha, pra se candidatar tem que enviar currículo!

      Excluir
  4. Máh
    Onde posso comprar seu livro?
    Sério, que texto lindo, parece o prólogo de um livro
    Você está escrevendo cada dia melhor :)

    ResponderExcluir

Qualquer pessoa pode comentar, fique à vontade :)